PIB cearense cresce 8,82 por cento no segundo trimestre de 2010

3 de setembro de 2010

Dos três setores da economia que compôem o PIB, o que melhor apresentou resultado foi a indústria, com 12,59% no segundo semestre.

 

O Produto Interno Bruto (PIB) do Ceará no segundo trimestre deste ano apresentou crescimento de 8,82 por cento, enquanto que o acumulado no ano – janeiro a junho – ficou em 8,87 por cento. Já o acumulado nos quatro trimestres (imediatamente anteriores) bateu os 5,94 por cento. Os dados,divulgados em entrevista coletiva, são do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Estado. Participaram da entrevista a diretora do Ipece, Eveline Barbosa, e a coordenadora das Contas Regionais do Ceará, Eloísa Bezerra.

 

O resultado do PIB cearense (8,82 por cento) ficou ligeiramente acima do índice nacional no mesmo período, de 8,80 por cento. No entanto, na comparação da economia do Estado e brasileira pelo Valor Adicionado a preços básicos – sem a inclusão dos impostos – a taxa de crescimento do Ceará foi de 7,32 por cento, menor que a do Brasil, que foi de 8,20 por cento. Porém, vale ressaltar que a base de comparação da economia brasileira, no segundo trimestre de 2009, estava negativa em 1,30 por cento, enquanto a do Ceará foi positiva de 3,12 por cento.

 

Com o índice positivo apresentado pelo Ceará, percebe-se que o crescimento da economia cearense foi bem mais intenso do que a brasileira, isso por conta da base de comparação. Já o PIB acumulado (valor adicionado) do Ceará ficou em 7,72 por cento no acumulado deste ano (janeiro a junho), contra 8,10 por cento do Brasil. O acumulado em quatro trimestres chegou a 5,53 por cento, contra 4,70 por cento do País.

 

Dos três setores da economia que compõem o PIB – agropecuária, indústria e serviços – o que melhor apresentou resultado foi a indústria, com  12,59 por cento no segundo trimestre, contra o 0,01 por cento apresentado no segundo trimestre de 2009. Das atividades que compõe o setor, a que teve melhor desempenho foi a construção civil, com 20,52 por cento, seguida pelo segmento eletricidade, gás e água, com 13,59 por cento, e de transformação, com 10,71 por cento. A única a apresentar índice negativo foi a indústria extrativa mineral, com menor 15,78 por cento.

 

O setor de serviços obteve índice de 6,85 por cento no segundo trimestre deste ano, contra 5,87 por cento no mesmo período do ano passado. Dentre as atividades do setor, o comércio foi que mais se destacou, com 9,79 por cento, seguido por “outros serviços”, com 9,53 por cento; alojamento e alimentação, com 7,58 por cento; transporte, armazenamento e correio, com 7,39 por cento; intermediação financeira, com 7,32 por cento, e administração pública, com 1,13 por cento.

 

O setor agropecuário cearense continuou em queda, pois no segundo trimestre de 2010 o recuo foi de menos 5,34 por cento, contra os 12,87 por cento de queda quando comparado com o segundo trimestre de 2009. A taxa acumulada no ano de 2010 – janeiro a junho – é negativa no setor, com 3,83 por cento e nos últimos 123 meses o declínio foi de 7,43 por cento. Apesar da agropecuária participar com apenas 6,2 por cento (2007) da economia estadual, exerce influência em outras atividades, no que se refere a matéria-prima.

 

A pesquisa ompleta pode ser acessada pelo site www.ipece.ce.gov.br

 

03.09.2010

 

Assessoria de Imprensa do Ipece:

Pádua Martins (padua.martins@ipece.com.br)
Luiz Pedro (luizpedro@seplag.ce.gov.br – 85 310.4508)