PIB do Ceará no 4º trimestre e o acumulado em 2011 vão ser divulgados na terça-feira

16 de Março de 2012

O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), juntamente com a Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Estado, divulga, em entrevista coletiva aos meios de comunicação, na próxima terça-feira (20), às 15 horas, o Produto Interno Bruto (PIB) do Ceará relativo ao quarto trimestre de 2011 e o acumulado, de janeiro a dezembro, do referido ano. O desempenho da economia cearense, como já esperado pelo Ipece, superou o crescimento do Brasil no ano passado, que foi de 2,7% em relação a 2010. Logo após a entrevista, o trabalho do Instituto poderá ser acessado no www.ipece.ce.gov.br.

Da entrevista, que vai ser realizada na sala de reuniões da Seplag, no Edifício Seplag, 3º andar, no Centro Administrativo Governador Virgílio Távora, no bairro Cambeba, participam o titular da Secretaria de Planejamento, Eduardo Diogo, e o diretor do Ipece, professor Flávio Ataliba, além de técnicos do Instituto. O trabalho do Ipece, intitulado de “Desempenho da Economia Cearense no 4º trimestre e Acumulado de Janeiro a Dezembro de 2011”, está publicado do “Ipece Informe nº 25, de março/2012”. O PIB trimestral é um indicador que mostra a tendência do comportamento da economia cearense no curto prazo.

Os resultados da economia estimados trimestralmente são expressos somente em taxa de crescimento (%), ou seja, o PIB trimestral não é apresentado em valores correntes, mostrando a evolução da economia, apenas, em termos de variação percentual, diferentemente dos resultados para o país que, além das taxas de crescimento, são revelados também em valores correntes trimestrais. No entanto, ao final de cada ano o Ipece faz uma estimativa em valor para o PIB total e para o PIB per capita, com base nas Contas Trimestrais. O trabalho está estruturado em cinco seções.

Além do Ceará, mais cinco estados brasileiros realizam o cálculo de sua economia trimestralmente: Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Espírito Santo e São Paulo. Esses estados utilizam a mesma ponderação das contas regionais e também é calculado com base nos resultados dos três setores, Agropecuária, Indústria e Serviços, e desagregados por suas atividades econômicas. É importante ressaltar que, como indica somente uma tendência de crescimento ou arrefecimento da economia, suas informações e resultados são preliminares e sujeitos a retificações, quando forem calculadas as Contas Regionais definitivas, em conjunto com o IBGE e as 27 Unidades da Federação.

 

 

16.03.2012

Assessoria de Imprensa do Ipece

Pádua Martins ( padua.martins@ipece.ce.gov.br / 85 3101.3508)