Incubada no Nutec descobre produto para tirar a salobridade da água

29 de junho de 2012

Se o maior problema da água dos solos semiáridos brasileiros é a salobridade da água, uma empresa descobriu a solução a baixo custo. Desde marco de 2010, a empresa Policlay, incubada na Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (Nutec),  instituição vinculada à Secretaria da Ciência Tecnologia e Educação Superior do Ceará (Secitece), concluiu as pesquisas de desenvolvimento do produto, transferiu da bancada para produção e, finalmente, começou a comercializar o Douce Aqua, um mineral que tem a capacidade de sequestrar o cálcio e o magnésio da água salobra.

A maior parte das águas subterrâneas do mundo são salobras (0,5 e 30 gramas de sal por litro) não salgadas (acima de 35 gramas por litro). A salobridade causa escassez de água potável para consumo humano e para a irrigação de lavouras de subsistências. No Brasil, o equipamento hoje disponível é importado e caro: o dessalinizador. Porém, apenas 4 gramas do produto recém descoberto, colocados na parte superior de um filtro de barro -comum na cozinha do homem do campo – retira a salobridade de 20 litros de água. Comparando a inovação em termos financeiros, o produto está disponível no mercado por R$ 7,00 , embalagem contendo 200 gramas. Considerando que 20 litros de água mineral custa em média R$ 4,00, o produto deixaria as águas próprias para consumo a um custo 28 vezes inferior (20 litros por R$ 0,14).

O produto pode ser comercializado para associações de agricultores, fazendas, governos, além de indústrias de detergentes e produtos de limpeza porque aumenta a formação de espuma que é inibida em águas salobras.

 

Saiba mais

A Policlay está desenvolvendo, ainda, um equipamento capaz de tratar grandes volumes de água, fazendo uso do produto. O foco da prestação de serviço será a limpeza de águas industriais, eliminando um problema recorrente: a danificação do maquinário pela dureza das águas dos poços. Isso porque grande parte das indústrias se utilizam de caldeiras: os sais vão se acumulando nas tubulações, corroem os canos e causam grandes prejuízos às empresas.

O equipamento está em fase de testes e será implantado em um poço perto de uma escola em uma comunidade de Caucaia com 3.000 habitantes que, atualmente, esperam o carro pipa para consumir água.

Interessados em adquirir o produto basta ir ao Nutec: Rua Professor Rômulo Proença s/n Campus do Pici ou entrar em contato com a administradora da empresa Mariana Mota (85) 87056765.

 

29.06.2012

Assessoria de Imprensa da Nutec

Arinne Oliveira ( arinne.mauricio@gmail.com / 85 3101.6925)