HGF recruta hipertensos para pesquisa sobre distúrbios do sono

18 de dezembro de 2012

O Hospital Geral de Fortaleza (HGF), unidade da Secretaria da Saúde do Estado, está recrutando voluntários interessados em participar de uma pesquisa clínica em hipertensos resistentes. Financiada por convênio entre o HGF, a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e o Instituto de Estudos e Pesquisas e Projetos da Universidade Estadual do Ceará (IEPRO), no valor de R$ 1 milhão, a pesquisa vai relacionar o tratamento de distúrbios do sono e o controle da hipertensão resistente em pacientes que usam três ou mais medicamentos. Ao final do convênio, com prazo de dois anos, os equipamentos utilizados na pesquisa serão doados ao HGF para a implantação do primeiro laboratório público para pesquisa e tratamento das doenças do sono.

O acompanhamento dos pacientes durante a pesquisa será gratuito e feito por profissionais especializados, sob a coordenação das otorrinolaringologistas, Erika Ferreira Gomes e Carolina Veras. De acordo com Erika Ferreira Gomes, “a pesquisa irá detectar quais são os hipertensos que não controlam a doença e tem algum distúrbio no sono, porque uma vez que se possa controlá-lo, consequentemente, haverá o controle da própria hipertensão, assim como de infarto do miocárdio e de Acidente Vascular Cerebral”.

Os interessados em participar da pesquisa clínica devem ligar para (85) 8857.2916 ou (85) 9778.4650. Os inscritos responderão a questionário e farão a monitorização ambulatorial da pressão arterial (MAPA) técnica que permite obter medidas múltiplas e indiretas da pressão arterial durante 24 ou mais horas consecutivas com um mínimo de desconforto, durante as atividades diárias do paciente. Os pacientes selecionados receberão tratamento para os distúrbios do sono e controle da hipertensão.

A hipertensão arterial é classificada como doença traiçoeira. Só provoca sintomas em fases muito avançadas ou quando aumenta de uma hora para outra de forma exagerada. Somente em algumas pessoas aparecem sintomas, como dores de cabeça, no peito e tonturas. Os hipertensos correm mais riscos de comprometimentos vasculares, tanto cerebrais quanto cardíacos. A pressão alta causa também doenças nos rins. A hipertensão resistente ocorre quando os níveis de pressão arterial estão acima dos recomendados, mesmo após três meses consecutivos da adoção de três tipos diferentes de anti-hipertensivos.

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Hipertensão, é comum que hipertensos tenham problema de apneia do sono e vice-versa. Cerca de 40% das pessoas com hipertensão possuem a doença. Isso acontece porque a faringe, ao relaxar durante o sono, torna estreita a passagem de ar, provocando as vibrações típicas do ronco, até se fechar completamente e interromper o fluxo respiratório temporariamente. Numa reação de defesa, o organismo libera adrenalina, que contrai os vasos, restringindo assim o espaço por onde o sangue circula. Como o volume sanguíneo precisa correr por vias contraídas, há o aumento da pressão. Estima-se que cerca de 40% das pessoas com hipertensão arterial apresentam a síndrome da apneia obstrutiva do sono.

 

Principais distúrbios do Sono

Alguns fatores ou condições podem atrapalhar muito uma noite de sono e ocasionar sérios danos à saúde.

 

Insônia

– É o mais conhecido dos distúrbios do sono. É a falta de sono ou dificuldade de dormir.
– Atinge 25% da população adulta.
– Pode ser passageira, causada por preocupações e tensões do dia-a-dia, ou crônica, ocasionada por disfunções orgânicas.
– O consumo de bebidas alcoólicas, cigarro, drogas estimulantes e tranquilizantes também pode ocasionar um quadro grave de insônia.

 

Fadiga e sonolência diurna

– Fadiga é o mesmo que cansaço, e é causada pela privação do sono.
– Ocasiona a diminuição dos reflexos e o retardamento das ações.
– Para o motorista é muito grave, pois pode resultar em sérios acidentes.

 

Ronco

– Ruído próprio de pessoa que possui este distúrbio.
– De forma isolada, o ronco pode não representar sérios problemas, mas merece atenção.
– Num estágio avançado, o fechamento da faringe (órgão por onde passo o ar e os alimentos) pode trazer complicações respiratórias, inclusive a apnéia.

 

Apneia

– Apneia é a parada da respiração durante o sono
– A pessoa ronca muito alto e pode chegar a sufocar.
– Pode causar arritmia cardíaca e aumento da pressão arterial, devido à falta de oxigênio.

 

18.12.2012

Assessoria de Comunicação da Sesa

Selma Oliveira/ Marcus Sá ( selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5220 / 3101.5221 / 8733.8213 )
Twitter: @SaudeCeara