7 de fevereiro é dia de teste de aids na Praça do Ferreira

27 de Janeiro de 2015

Agora adotada como método de prevenção contra a aids, a testagem rápida para o vírus HIV será feita pela Secretaria da Saúde do Estado no sábado, 7 de fevereiro, das 8 às 13 horas, na Praça do Ferreira. Adolescentes e jovens de 15 a 24 anos, população-alvo da atual campanha de prevenção do Ministério da Saúde, mulheres casadas que nunca realizaram teste para aids, trabalhadoras do sexo e a população que tem dificuldade de ir a um posto de saúde podem se programar para realizar o teste para HIV antes do carnaval. Durante a ação de prevenção e controle da aids também haverá vacinação contra hepatite B e entrega de preservativos.

No Ceará, assim como no Brasil, o número de casos de aids em jovens vem aumentando. Entre adolescentes e jovens de 15 a 24 anos o número de casos passou de 521 em 2006 para 1.212 em 2012, um aumento de 136,7%. A Secretaria da Saúde do Estado desenvolve ações para facilitar e ampliar o acesso ao diagnóstico precoce do HIV, através de capacitações para profissionais de saúde do Estado em testagem rápida para o HIV e sífilis, em parceria no Projeto Fique Sabendo Jovem/Unicef e na realização de campanhas do “Fique Sabendo” que ocorrem em espaços públicos.

Na nova campanha para o controle da aids, lançada em 1º de dezembro do ano passado, o Ministério da Saúde apresenta pela primeira vez a estratégia de prevenir, testar e tratar, com foco no público jovem. O mensagem geral da campanha busca incentivar o jovem a se prevenir contra o vírus da aids, usar camisinha, fazer o teste e, se der positivo, começar logo o tratamento. A campanha reforça o slogan com a gíria “#partiuteste”, linguagem típica desta faixa etária prioritária.

O incentivo à testagem e tratamento (prevenção combinada) é a nova abordagem da política pública de controle da aids e estará em destaque durante o ano de 2015, ressaltando o incentivo a testar e tratar, com enfoque na adesão ao tratamento precoce. O objetivo é o aumento do foco estratégico em ambientes e populações prioritárias para acelerar a expansão do tratamento. A campanha vai ao encontro das metas do UNAIDS/OMS. A meta é testar 90% da população brasileira e, das pessoas que apresentarem resultado positivo, tratar 90%. Como resultado, conseguir que 90% das pessoas tratadas apresentem carga viral indetectável.

De acordo com o novo boletim epidemiológico, atualmente cerca de 734 mil pessoas vivem com HIV e aids no país. Desde os anos 80, foram notificados 757 mil casos de aids no país. No Ceará foram registrados cerca de 17 mil casos nesse mesmo período. A epidemia no Brasil está estabilizada, com taxa de detecção em torno de 20,4 casos, a cada 100 mil habitantes, em 2013. No Estado essa taxa é de 14 casos a cada 100 mil habitantes.

Aids

A aids é uma doença causada pelo vírus HIV e que é transmitida através da troca de secreções (sangue, esperma, secreção vaginal e leite materno) entre uma pessoa infectada e uma pessoa sadia, em situações como relações sexuais desprotegidas ou transfusões de sangue. Por isso, hábitos simples como o uso do preservativo durante o sexo e a utilização de seringas e agulhas descartáveis são a melhor forma para evitar a transmissão do vírus.

O teste rápido de HIV é feito a partir da coleta de uma pequena quantidade de sangue da ponta do dedo. Os exames, colocados em um dispositivo de testagem, dão o resultado minutos depois. Dependendo do diagnóstico, os encaminhamentos para os serviços de atendimento em doenças sexualmente transmissíveis já são feitos na hora. O resultado do teste rápido tem a mesma confiabilidade dos exames convencionais e não há necessidade de repetição em laboratório.

O teste de aids não deve ser feito de forma indiscriminada e a todo o momento. O aconselhável é que quem tenha passado por uma situação de risco, como ter feito sexo desprotegido, faça o exame. Após a infecção pelo HIV, o sistema imunológico demora cerca de um mês para produzir anticorpos em quantidade suficiente para serem detectados pelo teste. Por conta disso, é melhor fazer o exame após esse período.

Hepatite B

As hepatites são doenças que atacam o fígado. A hepatite B é uma doença sexualmente transmissível, mas também pode ser transmitida pelo contato com sangue e por materiais cortantes contaminados, como alicate de unha. Por isso, o Ministério da Saúde alerta que, além do uso da camisinha em todas as relações sexuais, não se deve compartilhar escova de dente, alicates de unha, lâminas de barbear ou depilar. É importante também sempre usar materiais esterilizados ou descartáveis em estúdios de tatuagem e piercing, serviços de saúde, acupuntura, procedimentos médicos, odontológicos e hemodiálise.

Nem sempre a hepatite B apresenta sintomas. Quando aparecem, podem provocar cansaço, tontura ou ânsia de vômito. A pessoa pode levar anos para perceber que está doente. O diagnóstico e o tratamento precoce podem evitar a evolução da doença para cirrose ou câncer de fígado, por exemplo. O teste, o tratamento e o acompanhamento das hepatites virais estão disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). A vacina contra hepatite B é de rotina e está disponível nos postos de vacinação dos municípios durante todo o ano para que a população de zero a 49 anos não deixe de completar o esquema.

 

26.01.2015

Assessoria de Comunicação da Sesa

Selma Oliveira / Marcus Sá ( selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5220 / 3101.5221)

Twitter: @SaudeCeara

www.facebook.com/SaudeCeara