Ex-bolsista da Funcap cria plataforma de apoio para atividades científicas em escolas públicas

18 de Maio de 2015

Em Portugal, um grupo de estudantes brasileiros decidiu criar uma plataforma online para apoiar atividades de desenvolvimento científico em escolas públicas brasileiras. Professores da  rede pública de ensino enviam propostas de desenvolvimento de projetos e o grupo seleciona um doutorando para colaborar com as atividades de pesquisa. “É uma maneira de inserção e integração da Ciência no cotidiano dos jovens estudantes”, explica Esequiel Mesquita, um dos idealizadores da plataforma +SCIENCE.

Além dele, Carolina Caretti, doutoranda em Literatura pela Universidade Estadual Paulista, Eimard Nascimento, doutorando em Matemática pela Universidade de Aveiro, e Cristiano Reis, doutorando em Engenharia de Biossistemas pela University of Minnesota, formam a equipe gestora da plataforma.

Já são 44 pesquisadores voluntários cadastrados e duas escolas cearenses participando: a Escola de Ensino Médio de Irauçuba, em Irauçuba, e a Escola Estadual de Educação Profissional José Ribeiro Damasceno, no Trairi. Além disso, três escolas do Rio Grande do Sul entraram em contato para mais informações sobre o projeto.

Esequiel é natural de Irauçuba, no Ceará, e foi bolsista da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap) durante a graduação em Engenharia Civil pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). Atualmente, é bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) no doutorado em Engenharia Civil na
Universidade do Porto, em Portugal.

Origem da plataforma

O ponto de partida da plataforma foi uma inquietação entre os doutorandos. Já que as bolsas de estudos são pagas utilizando os impostos arrecadados no Brasil, qual seria o papel deles e quais respostas poderiam dar à sociedade? Essa dúvida os motivou a buscar uma solução, encontrada na forma do atual projeto.

De acordo com a equipe gestora da plataforma, um dos objetivos da +Science é fazer uma ponte entre os ensinos superior e médio públicos e gratuitos. “Uma vez que, em muitos casos, os pesquisadores de pós-graduação seguem  seus caminhos profissionais na pesquisa acadêmica ou em empresas privadas, o que tangencia uma atuação direta no ensino público”, explicam por meio de nota.

Os estudantes pretendem integrar pesquisadores financiados por órgãos governamentais às iniciativas surgidas nas escolas públicas, “de modo a não perder de vista que um dos pilares sobre o qual se assenta a universidade pública brasileira é a extensão, elemento indissociável da pesquisa e do ensino acadêmicos”, complementam.

Todo o trabalho é voluntário e, inicialmente, o ganho aos participantes se dá na forma de experiência ao orientarem os projetos, pois muitos dos participantes ainda não contam com vivência efetiva com o ensino, segundo informaram os gestores. “A escola é a práxis, é onde o lema ‘Pátria educadora’ ganha corpo, onde o destino social e profissional dos jovens é muitas vezes definido. Além disso, este tipo de vivência também nos aproxima da rede pública do ensino, e fundamentalmente acho que nos ajuda a cumprir um papel essencial para o desenvolvimento do Brasil: a integração dos jovens com a ciência”, destacam.

Os gestores da +Science afirmam ter consciência de serem  privilegiados por poderem contar com apoio governamental para as pesquisas e, por isso, querem dar esse retorno à sociedade. A plataforma foi a forma encontrada para retribuir à população a confiança investida por meio das bolsas concedidas pelas agências de fomento.

“O Brasil tem um número cada vez maior de mestres e doutores, com pesquisas e produções científicas gerando impacto na indústria, na medicina, por exemplo, mas isto não necessariamente tem reflexos no ensino público, pois é pequeno o número de profissionais que se voltam para a atuação nas salas de aula. Enfim, produzir ciência e cultura com recursos públicos faz-nos pensar que, de alguma maneira, o retorno à sociedade deve existir, e se tal retorno for feito de maneira direta, toda a nossa trajetória terá valido muito mais a pena”, explicam.

Os pesquisadores voluntários são alunos brasileiros de doutorado distribuídos por diversas instituições, como Universidade de Lisboa, Universidade Federal do Paraná, Dublin Institute of Technology, Universidade de São Paulo, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Florida Institute of Technology, Aix-Marseille Université, Cornell University, University College Dublin, dentre outras.

Como participar

Os professores interessados devem preencher o formulário online com os dados da escola, grupo de alunos envolvidos e principais interesses científicos, juntamente com uma breve proposta de projeto de pesquisa, com no máximo três páginas, contendo título, grupo de trabalho (alunos e outros professores), área de concentração, introdução, objetivos, metodologia, resultados esperados, e a bibliografia.

Os estudantes de mestrado e doutorado interessados devem preencher o formulário PhD Action com seus dados acadêmicos e principais áreas de atuação. Para realizar a inscrição é necessário confirmar a disponibilidade de 1h semanal para apoiar os grupos de pesquisas das escolas públicas brasileiras.

Acesse o site da +SCIENCE: http://emesquita4.wix.com/plusscience

18.05.2015

Rafael Ayala
Assessor de Comunicação da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap)
85 3275.9629 | 8660.2578
rafael.ayala@funcap.ce.gov.br

Sabrina Lima
Gestora de Célula/Secretarias

Coordenadoria de Imprensa
Casa Civil – Governo do Estado Ceará
85 3466.4898