Curso atualiza em vigilância e controle de dengue e Chikungunya

14 de outubro de 2015

O Ceará registrou este ano, cinco casos de febre Chikungunya, todos importados de áreas endêmicas – três do município de Oiapoque, no Amapá, um da República Dominicana e um do estado da Bahia. Diante da ameaça de instalação da doença, a Secretaria da Saúde do Estado realizará de 19 a 23 de outubro, no Hotel Costa do Mar, Avenida Historiador Raimundo Girão, 1338, Meireles, em parceria com a Secretaria de Vigilância à Saúde do Ministério da Saúde, o Curso de Atualização em Vigilância e Controle da Dengue, Febre Chikungunya e Zika Vírus, três doenças transmitidas pelo mesmo vetor – o mosquito Aedes Aegypti. Dirigido a técnicos de vigilância epidemiológica e de controle de vetores das Coordenadorias Regionais de Saúde da Sesa e das Secretarias Executivas Regionais de Fortaleza, o curso vai reforçar os conceitos da nova classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a dengue e fortalecer a estruturação da vigilância da febre Chikungunya no Ceará.
 
Em todo o Brasil foram registrados este ano 3.780 casos autóctones de febre Chikungunya, a maioria deles na Bahia, que tem 17 municípios com transmissão da doença, seguida do Amapá, com transmissão em cinco municípios, e Brasília. As informações estão na Nota Técnica publicada na terça-feira, 13 de outubro, pela Secretaria da Saúde do Estado. Com relação a essa doença, o documento avalia que “diante da circulação do vírus da dengue no estado do Ceará, a infestação do Aedes Aegypti em quase todos os municípios do estado e o fluxo intenso de turistas procedentes de áreas com transmissão, favorecem o risco de introdução e circulação viral”. A nota faz alerta “aos estabelecimentos de saúde, portos e aeroportos para o aparecimento de casos suspeitos de Febre de Chikungunya, a fim de desencadear as ações necessárias de investigação epidemiológica e controle vetorial de forma oportuna, evitando a disseminação da doença”.
 
Em outra Nota Técnica publicada, a Secretaria da Saúde do Estado relata que na segunda quinzena de maio foi iniciada a coleta de amostras dos casos suspeitos de Zika Vírus de pacientes atendidos no Hospital São José de Doenças Infecciosas (HSJ). Foram coletadas e encaminhadas 55 amostras para o Instituto Evandro Chagas, em Belém, no Pará. Até o momento, das 18 amostras processadas, 14 foram confirmadas, sendo 12 casos do município de Fortaleza, um em Pentecoste e um em Santana do Acaraú. As demais amostras permanecem em análise. Em função da circulação do vírus da dengue no estado do Ceará e seu curso clínico por vezes similar ao Zika Vírus, a nota alerta os serviços e profissionais de saúde a manterem “as rotinas que garantam o adequado seguimento do protocolo de manejo clínico nos casos de dengue, objetivando a redução da ocorrência de casos graves ou óbitos”.
 
De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado na sexta-feira, 9 de outubro, o Ceará confirmou este ano 50.583 casos de dengue em 168 municípios. Os casos graves da doença somam 756 confirmações e 62 óbitos. Maio é o mês com o maior número de confirmações, com 15.595 casos registrados, e setembro aparece com o menor número de casos, no total de 366.

14.10.2015

Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira / Marcus Sá /  ( selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5221 / 3101.5220)
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara

Giselle Dutra
Gestora de Célula/Secretarias

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado do Ceará
Casa Civil / (85) 3466.4898