Hospital de Messejana é referência no tratamento de fumantes

23 de março de 2016

O tabagismo é um importante fator de risco para o desenvolvimento de uma série de doenças crônicas, tais como câncer, doenças pulmonares e doenças cardiovasculares. O Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes, da rede pública do Governo do Estado, é referência no tratamento de fumantes e dispõe do Programa de Controle do Tabagismo, que há 13 anos ajuda pessoas que querem vencer o vício. Os pacientes são atendidos por uma equipe de profissionais especializados como médicos, enfermeiras e assistente social. O programa já atendeu três mil pacientes. O mestre de obras José Wilson da Costa, 57 anos, é um deles. Fumante ativo durante 45 anos, José Wilson passou a ter problemas de saúde como pressão alta e insuficiência cardiovascular periférica, que provocou o surgimento de várias úlceras, feridas de difícil cicatrização nas pernas e nos pés.”O vício estava acabando com a minha vida e eu cheguei a chorar pedindo a Deus para me ajudar a parar de fumar”, diz.

O convívio com o cigarro começou aos 12 anos, brincando de criar círculos com a fumaça que é expelida entre uma tragada e outra. De lá para cá, a vontade de fumar aumentou e José Wilson chegou a consumir 80 cigarros por dia. Gastava cerca de um salário mínimo por mês com o vício. As substâncias químicas contidas no cigarro afetaram sua qualidade de vida. O cansaço, a falta de ar, as fortes tosses, a sensação constante de boca seca e amarga, o desejo incontrolável de fumar faziam parte do dia a dia de José Wilson. Em julho de 2015, ele conheceu o Programa de Controle do Tabagismo do Hospital de Messejana e, em agosto, iniciou o tratamento. Um mês depois, José Wilson conquistou seu sonho e até hoje permanece longe do cigarro. “Não foi fácil. Mesmo com a ajuda das medicações e do adesivo, vinha aquele desejo, mas eu me controlava e consegui me livrar do vício. O apoio do grupo e dos profissionais me fortaleceram também”, diz.

De acordo com o Ministério da Saúde, o tabagismo é responsável por 200 mil mortes todos os anos no Brasil – 25% delas por angina e infarto do miocárdio, 45% por infarto agudo do miocárdio (abaixo de 65 anos) e 85% das mortes por bronquite e enfisema pulmonar. O hábito também responde por 90% dos casos de câncer de pulmão no país. Entre os 10% restantes, um terço dos casos ocorre em fumantes passivos. Esse tipo de tumor é considerado o mais letal e umas das principais causas de morte no Brasil.

O sucesso terapêutico do tratamento é elevado, com taxa de abstinência tabágica de 48% em pelo menos um ano. Uma vez inscrito no Programa de Controle do Tabagismo, o paciente passa por uma triagem médica para coleta de informações pessoais relativas ao estado psicológico e quanto à motivação para deixar o cigarro. Exames importantes são realizados para avaliar a saúde do paciente e seu grau de dependência à nicotina. Após a avaliação inicial, o paciente passa a fazer parte do grupo de apoio, no qual é realizado o tratamento padrão, baseado na abordagem cognitivo-comportamental e terapia medicamentosa.

O Programa de Controle do Tabagismo do Hospital de Messejana iniciou as atividades em 2002, sendo o primeiro tratamento público com distribuição gratuita de medicação para aliviar os sintomas de abstinência. O telefone do programa é o (85) 3101-4062.

23.03.2016

Assessoria de Comunicação do Hospital de Messejana
Stella Magalhães
(85) 3101-4092

Giselle Dutra
Gestora de Célula / Secretarias

Coordenadoria de imprensa do Governo do Estado
Casa Civil
comunicacao@casacivil.ce.gov.br / 85 3466.4898