Congresso incentiva doação de medula óssea

22 de agosto de 2016

O Ceará, um dos nove estados do Brasil que fazem transplante de medula óssea e referência nesta especialidade, vai receber pela primeira vez o evento conhecido na área médica como “Revelação”, quando um receptor conhece o doador do tecido transplantado. O encontro entre um doador de medula do Ceará com um paciente transplantado do Rio de Janeiro ocorrerá no encerramento do XX Congresso da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea – SBTMO 2016, que acontece em Fortaleza, entre os dias 24 e 27 de agosto, com apoio do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), da rede pública do Governo do Estado. “A revelação é sempre um acontecimento muito positivo, pois chama a atenção e sensibiliza as pessoas para esta causa tão nobre, que é a doação voluntária e altruísta, tanto de medula óssea, quanto de sangue”, ressalta o presidente da SBTMO e responsável pelo setor de medula óssea do Hemoce, Fernando Barroso.

Na ocasião, um adolescente de 19 anos, que mora no Rio de Janeiro e descobriu que sofria de Leucemia Linfoblástica Aguda B e T aos 15 anos, vai conhecer o doador, que mora em Fortaleza. O transplante ocorreu em outubro de 2013, após 14 meses de tratamento e 17 meses do surgimento dos sintomas mais agudos.  De acordo com a mãe do paciente, Kelen Fonseca, a família viveu grandes mudanças neste período. Ela deixou o emprego em um escritório de design de interiores para cuidar do filho; mudou-se com a filha de apenas quatro anos e o marido para a casa de parentes para facilitar a logística, pois morava a 66 quilômetros Instituto Nacional do Câncer – Inca, onde o garoto fazia tratamento; teve de lidar com o sofrimento do filho e o viu querer desistir de viver várias vezes. “O momento mais difícil pra mim já não era mais ver as reações das quimioterapias, nem as perfurações de agulhas ou os inúmeros exames que ele fazia, mas quando ele começou a desistir de lutar. Ah, como doeu!”, relembra.

O doador tinha 39 anos na época e devido à sua profissão de farmacêutico consultor em oncohematologia, ele conhecia de perto a luta dos pacientes que sofrem com câncer, o que o motivou a fazer, em 2011, o seu cadastro no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea – Redome, por meio do Hemoce.

Referência nacional em transplante

O Hemoce é responsável pela captação de doadores, cadastro e análises de compatibilidade, amostras e coleta de medula no Ceará. Desde 2008 foram realizados, em parceria com o Hospital Universitário Walter Cantídio, 269 transplantes de medula óssea e cadastrados mais de 160 mil possíveis doadores no Estado, um dos nove do Brasil que realizam este tipo de procedimento.

A taxa de sobrevida de 95,3% dos pacientes transplantados confere ao Ceará posição de destaque, pois a média mundial de sobrevida de transplantados de medula óssea é de 90%. O transplante de medula óssea é um tipo de tratamento indicado para algumas doenças que afetam as células do sangue. Consiste na substituição de uma medula óssea doente ou deficitária por células normais para reconstituir uma medula saudável. Os transplantes podem ser autólogos, quando a medula transplantada é do próprio paciente, ou alogênicos, quando o tecido transplantado provém de outra pessoa.

“O transplante é essencial por ser fonte de vida e dispor desta técnica aqui é revolucionário, pois nos coloca na dianteira das pesquisas e também no atendimento aos pacientes que sofrem de leucemia e outras enfermidades. O procedimento é simples, não necessita de cirurgia e o doador encerra o processo em apenas um dia e meio”, afirma Fernando Barroso.

SBTMO 2016

A 20ª edição do congresso da SBTMO vai reunir, no hotel Gran Marquise, 950 profissionais da saúde de todo o Brasil, além de 138 palestrantes, dos quais 30 são de outros países. Durante a realização do Congresso serão apresentados os trabalhos científicos selecionados. Como incentivo à programação e produção científica, os melhores trabalhos orais concorrerão aos seguintes prêmios: “Mary Flowers”, para o melhor trabalho em transplante alogênico; “Fani Job”, para o melhor trabalho multidisciplinar, “Ricardo Pasquini”, para jovens investigadores; “Alírio Pfiffer”, para o melhor trabalho em falência medular; “Júlio Voltarelli”, para o melhor trabalho na área de TMO, e “José Roberto Moraes”, para o melhor trabalho científico na área de Histocompatibilidade e Imunogenética.

O congresso terá uma programação paralela, com diversas atividades previstas, com destaque para o X Curso de atualização em Transplante de Medula Óssea, X Congresso da Associação Brasileira de Terapia Celular – (ABTCEL) e I Encontro SBTMO, ABTCEL e ISCT (International Society for Cellular Therapy), XVI Encontro de Histocompatibilidade e Imunogenética, XIV Encontro de TMO em Pediatria da SOBOPE, XVIII Encontro de Enfermagem e Equipe Multidisciplinar em TMO, além dos cursos GVHD – Doença do Enxerto Contra o Hospedeiro e Noções Básicas em TMO.

Mais informações com a Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea: (85) 4011.1572 / www.sbtmo2016.com.br

Serviço:

XX Congresso da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea – SBTMO 2016.
Local: Hotel Gran Marquise
Período: 24 a 27 de agosto

Encerramento do Congresso SBTMO 2016
Data: 27 de agosto de 2016
Hora: 20 horas
Local: Iate Clube Fortaleza (Av. Abolição, 4813)

22.08.2016

Assessoria de Imprensa do Hemoce
Tunay Moraes Peixoto
(85) 3101-2308/ 99947-7234

Expediente imprensa2-01