Governo do Ceará integra campanha contra o abuso sexual de mulheres em transportes coletivos de Fortaleza

29 de novembro de 2017 # # # # #

Caio Faheina - Repórter
Marcos Studart - Fotógrafo

A vice-governadora Izolda Cela participou do lançamento da campanha, que aconteceu nesta quarta-feira (29), no Tribunal de Justiça do Ceará

“O espaço é público, meu corpo, não” e “Culpar a vítima é covardia” eram frases estampadas em cartazes, expostos nesta quarta-feira (29), no Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), durante solenidade de lançamento da campanha de combate ao assédio de mulheres em transportes coletivos de Fortaleza. A iniciativa, promovida pelo TJCE, tem apoio do Governo do Ceará, por meio da Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para as Mulheres, e de outras entidades.

A ação visa à conscientização de cerca de 1 milhão de passageiros diários que utilizam os transportes coletivos da Capital. Para isso, os 2.400 ônibus da frota municipal circularão com cartazes alertando sobre o assédio e a importância da denúncia. Nos terminais, profissionais do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Ceará (Sindiônibus) utilizarão adesivos relacionados à campanha.

Presente no evento, ao lado da titular da Coordenadoria, Camila Silveira, a vice-governadora Izolda Cela destacou a importância da mobilização para evitar o abuso sexual de mulheres e enfatizou a continuidade da campanha. “É uma ação que pretende ser permanentemente fortalecida e enraizada até quando for necessário. É uma agenda que vem exatamente na convergência pelo Pacto por um Ceará Pacífico, em que o TJCE também lidera”. E sublinhou: “O objetivo é mobilizar, a partir do papel das instituições envolvidas, com articulação junto à sociedade, para que a gente possa vencer essas batalhas”.

Izolda Cela também reforçou que casos de abuso sexual não podem ser encarados como normais. “Um dos agravos de infrações desse tipo é quando se traveste de normalidade, de cultura, em que as pessoas tendem a achar que não é crime”. Em seu discurso, a vice-governadora alertou, ainda, sobre a necessidade de uma mudança de comportamento na sociedade. “É preciso alertar as pessoas, tanto as mulheres, para que não se submetam, como também a sociedade em geral, para que haja um padrão de civilidade”, afirmou.

A partir desta quarta-feira (29), haverá, ainda, mobilização da equipe do Juizado da Mulher nos terminais da Parangaba e do Papicu, com distribuição de panfletos e orientações sobre a violência contra a mulher.

Foco em todo o Ceará

O desembargador Francisco Gladyson Pontes, presidente do Tribunal de Justiça, ressaltou a importância da campanha e o envolvimento de toda a sociedade no combate à exploração sexual de mulheres não só em Fortaleza, como em todo o Estado. “(O abuso) é um problema social, cultural. Em todas as famílias existem mulheres e nós queremos preservá-las. Inicialmente, (a campanha) será desenvolvida na Capital, mas o foco é todo o estado do Ceará. Ela não é uma campanha efêmera”, disse.

Conscientização de profissionais

Também presente na solenidade, a gerente administrativa do Sindiônibus, Maria José Luz, enfatizou que a instituição não somente ajudará as entidades envolvidas na campanha. Ela informou que haverá, também, todo um processo de conscientização com os colaboradores do sindicato. “Vamos conscientizar os operadores sobre o que caracteriza e o conceito do abuso sexual, e, havendo abuso, como aquele cobrador ou motorista deve proceder para ajudar a vítima”, garantiu.

A iniciativa faz parte da “Campanha 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher”, realizada mundial e anualmente entre os dia 20 de novembro e 10 de dezembro. Segundo pesquisa do Datafolha, de 2015, os ambientes onde mais ocorrem assédio contra o sexo feminino são os meios de transporte público.

A solenidade reuniu, ainda, representantes da Prefeitura de Fortaleza, do Ministério Público e da Defensoria Pública do Ceará.

Apac

Antes da solenidade de lançamento da campanha contra o abuso sexual de mulheres em transportes coletivos de Fortaleza, a vice-governadora Izolda Cela participou, também no TJCE, de reunião para discutir a criação da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac).

A associação objetiva a redução da população carcerária e a ressocialização dos condenados, e é destinada, inicialmente, para menores infratores do sexo feminino. O projeto foi lançado em maio último pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, em reunião no TJCE.