Trabalho Escravo: Ceará registra 20 casos de trabalhadores resgatados em 2017

29 de Janeiro de 2018 #

Ana Carolina Carvalho - Gabinete do Governador

Nos últimos dez anos, 576 trabalhadores foram resgatados no Ceará. Em 2017, houve registro de 20 casos, colocando o Estado em sexto lugar entre os estados brasileiros que mais contabilizaram situações de trabalho análogas à escravidão. Esses são alguns dos dados divulgados hoje, dia 28, na coletiva de imprensa que apresentou o balanço dos dados do combate ao trabalho escravo. O evento, organizado pela Superintendência do Trabalho do Ceará em parceria com a Comissão para a Erradicação do Trabalho Escravo no Ceará (Coetrae/CE), foi realizado no Shopping Rio Mar Fortaleza.

Exploração de carnaúba (64,47%), extração de lenha (17,10%), confecção têxtil (2,63%) e construção civil (5,26%) foram os segmentos apontados. Ao todo foram 30 ações de combate ao trabalho escravo no Estado com cinco casos constatados. Apesar do número ainda expressivo do setor da carnaúba, o auditor-fiscal do trabalho Sérgio Carvalho destaca que vem diminuindo casos de trabalhadores nessa área. “Os produtores estão mais preocupados. Existe uma tentativa de melhorar as condições de trabalho. Das fazendas fiscalizadas, só em uma foi constatado trabalho escravo pelo grupo de fiscalização móvel nacional, o que mostra que tem uma tendência do setor se adequar as normas vigentes no País. Isso é bem relevante. Mostra uma mudança do setor produtivo em melhorar as condições de trabalho como um todo.”, concluiu.

O coordenador especial dos Direitos Humanos no Ceará e presidente da Coetrae/CE, Demitri Cruz, destacou os desafios das ações do Plano Estadual para a Erradicação do Trabalho Escravo no Estado. “Precisamos envolver os municípios nesse propósito. Este ano, vamos dar início a um projeto-piloto para construção de redes locais para o enfrentamento do trabalho escravo em dois municípios. Outra ação é acompanhar os trabalhadores que são resgatados no Ceará, saber o motivo pelos quais eles se submeteram a uma condição de exploração tão intensa. Identificar, mapear, visitar conhecer, fazer com que os equipamentos de base nos municípios acompanhem para que consigamos encerrar e romper com esse ciclo de vulnerabilidade”, ressaltou.

Leonardo Holanda, procurador do trabalho, apresentou a campanha: “Baseado em Fatos Surreais”, com imagens de trabalhadores explorados em condições degradantes e/ou submetidos a jornadas exaustivas, de norte a sul do país. “Quem combate o trabalho escravo nesse país está em um momento de alerta. Ele está muito mais perto do que se imagina. Além da repressão, nós buscamos ampliar o lado da prevenção que o Governo do Estado abraçou ao lançar o Plano Estadual de Combate ao Trabalho Escravo. Essa campanha mostra que a exploração é tamanha que somente em fatos surreais podemos entender que essa dinâmica ainda existe.”

Exposição

Após a coletiva foi lançada oficialmente a exposição “Sobre o peso das correntes nos teus ombros”, do fotógrafo e auditor fiscal do trabalho, Sérgio Carvalho.
A exposição que retrata registros de trabalho escravo pelo Ceará fica no Shopping Rio Mar Aldeota, piso L2, até o dia 18 de fevereiro.