Coordenadoria de Direitos Humanos se reúne com Associação dos Ciganos de Caucaia

26 de Março de 2018 # # #

Rafael Ayala - Assessoria de Comunicação da Coordenadoria de direitos Humanos

Na última sexta-feira (23), a Coordenadoria Especial de Políticas Públicas dos Direitos Humanos realizou uma reunião com representantes da Associação de Preservação da Cultura Cigana de Caucaia (ASPRECCC).

De acordo com o presidente da Associação, o cigano calón Rogério Ribeiro, um dos pontos do encontro foi articular uma reunião in loco em uma comunidade cigana, com a participação de representantes da Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA), Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para Promoção da Igualdade Racial (Ceppir), Secretaria de Saúde (Sesa), Secretaria de Educação (Seduc) e Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS).

Segundo Rogério, essa visita será importante para repassar informações e esclarecimentos que possam ajudar no combate à discriminação ao povo cigano. “O cigano não é inimigo da comunidade. Nós queremos é respeito, queremos conviver em sociedade. E esse é o objetivo da associação, além de preservar nossa cultura cigana”, destaca. Os representantes da Associação relataram episódios de discriminação relacionados ao acesso à saúde, educação e assistência social.

A ASPRECCC deu início a um mapeamento do povo cigano no Ceará, tendo já realizado viagens aos municípios de Sobral e Itapebussu. A SDA contribuiu com a capacitação de um grupo de ciganos para a realização do levantamento. A Associação informou que solicitou junto ao Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes do Ceará (Dnit/CE) a cessão de uso do prédio da extinta Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima de Catuana, em Caucaia, onde fica a sede da entidade, para a implantação do primeiro museu cigano do Brasil.

Para o Coordenador dos Direitos Humanos, Demitri Cruz, a reunião foi importante para conhecer as pautas e articular ações com a entidade, como o reforço para a aprovação do MAPP 590 – Ceará Cigano, que permitirá um trabalho mais eficiente em relação ao mapeamento e capacitação do povo cigano no Ceará.